3.08.2017

Cultivo de courgettes

Cultivo de courgettes, a abobrinha Italiana

A courgette é da família das cucurbitáceas, cujo nome cientifico: Cucurbita pepo . É uma planta de folhas grandes, com flores amarelas que dão origem a frutos alongados ou cilíndricos, com a pele verde, ligeiramente estriada e brilhante. Existem inúmeras variedades e embora distintas no tamanho, formato, cor e sabor, todas partilham características comuns.
A produção é avassaladora, quando escalonada 2 ou 3 plantas, normalmente são suficientes para o consumo da casa.
As courgettes também conhecidas por abobrinhas, são um dos vegetais mais fáceis de cultivar e uma opção saudável e pratica, que dá origem a inúmeros pratos. A sua ingestão apresenta muitas vantagens para a saúde (Benefícios da courgette) por isso é tão recomendada pelos nutricionistas.

Sementeira da courgette


Esta horticula não se deve semear no local definitivo até aos meados da primavera. Para começar a produzir courgettes precoces deverá iniciar a sementeira de forma protegida, dentro de casa ou em estufa. Deverá fazê-lo em vasos individuais com aproximadamente 8 cm de diâmetro.
Poderão ser plantadas ao ar livre após 4 semanas e após ter passado o risco de geadas.
A plantação deverá realizar-se em fileiras de 100x80 cm.
Para a sementeira directa, deverá colocar a semente a uma profundidade de 2 cm, no solo previamente preparado. Deverá colocar 3 a 4 sementes por cova, que se desbastam logo após a emergência, deixando apenas uma planta.
Germinam com temperaturas acima dos 15º, passado 5 a 10 dias.

Solo e adubação da courgette


O local de sementeira da courgette deve ser aberto e soalheiro.
O solo deverá ser rico em matéria orgânica, ter uma boa capacidade de retenção de humidade e simultaneamente boa drenagem.
O pH do solo deverá situar-se entre os 6 e os 7,5.
É usual o acréscimo de adubos, contudo quando existe uma quantidade rica e generosa de estrumes curtidos ou de composto de jardim, não há necessidade para esse procedimento.

Tratos culturais das courgettes


Regar com regularidade, principalmente após a formação dos novos frutos, contudo tenha cuidado com o encharcamento, que pode danificar as plantas . Todas as plantas da família das abóboras necessitam de muita água para se desenvolverem em perfeitas condições e a courgette não é excessão. Minimize os gastos de água, colocando um empalhamento à volta da planta.
Convém sachar o solo periodicamente, com o fim de o arejar e evitar o aparecimento de ervas daninhas.
Regue a planta com chorume de urtiga diluído a 20% até à formação dos frutos.
A colheita regular estimula a planta a produzir novos frutos.

Pragas e doenças da courgette


Após a germinação as plantas são muito susceptíveis ao ataque das lesmas e caracóis. (Como se livrar de lesmas e caracóis)
A planta da courgette também poderá sofrer alguns surtos de oídio, os quais poderão ser controlados com enxofre flor.

Colheita das courgettes


A colheita dá-se aproximadamente 2 a 3 meses após a sementeira.
O fruto estará pronto ao consumo quando alcançar os 15 a 20 centímetros.
É recomendável que a colheita se faça com uma faca ou tesoura, pelo risco de danificar o caule e as flores.
Caso tenha excesso de produção retire algumas flores e use-as em saladas, elas são uma iguaria fantástica. Poderá também guardar o excedente de frutos, dentro de um saco plástico no frigorífico.

1.22.2017

Dióspireiro ou caquizeiro (Diopyros kaki)

Cultivo do dióspireiro

O dióspireiro ou caquizeiro como é chamado no Brasil, caracteriza-se por uma árvore de folha caduca, originária da Ásia, que pertence à família das Ebenaceae e que se destaca-se pela alta produtividade, rusticidade e longevidade.
O dióspiro é um fruto de época e é a partir do outono que começamos a ser brindados por este delicioso fruto tão rico em propriedades medicinais (benefícios do dióspiro). O seu maior consumo é ao natural, porém também é usado para sumos, compotas, passas e mais recentemente para vinagre.
Apesar do dióspireiro ser uma árvore de clima subtropical ela desenvolve-se bem em várias partes do mundo e actualmente existem mais de 200 variedades de dióspiro um pouco por todo o mundo.

Características do dióspireiro (caquizeiro)


O dióspireiro é uma espécie dióica, ou seja existem árvores com flores masculinas e outras femininas. No caso das árvores de frutos com sementes existe a necessidade de instalar variedades polinizadoras. Contudo hoje em dia as variedades comercializadas já são produzidas por partenocarpia, ou seja não necessitam da fecundação para gerar o fruto.
A árvore consegue aguentar pequenos períodos de seca, mas quando regada regularmente, oferece frutos mais pesados e de maior calibre.

Solo e localização


O local ideal para plantação desta árvore de fruto, passa por um local com total exposição solar e com boa protecção contra os ventos fortes.
O dióspireiro desenvolve-se bem em vários tipos de solos, contudo desenvolve-se melhor em solos permeáveis, profundos, com boa drenagem e pH entre os 6 e os 6,5,  .

Plantação do dióspireiro


A plantação do dióspireiro deverá ser executada no inicio do inverno para as árvores de raiz nua e preferencialmente no inicio das chuvas para as envasadas.
As covas para a plantação deverão medir 60 x 60 x 60. Aplique 20 kg de estrume bem curtido, 60 gr de nitrogénio, 160 gr de fosforo e 60 gr de potássio, mas o ideal será fazer uma colecta de terra e basear a correcção e adubação no resultado.
O espaçamento varia de 5 por 6 metros até 7 por 8 metros, consoante o tipo de plantação.

Poda e formação do dióspireiro


No inverno, na fase da dormência, elimine todos os ramos secos e que apresentem sintomas de doença. Nos primeiros anos de vida, execute a poda de formação, que consiste na preparação e árvore para o futuro suporte da carga dos frutos. A ideia é trabalhar o esqueleto do dióspireiro até formar a copa pretendida.
Os ramos do dióspireiro são muito frágeis e quebram facilmente, com o peso da fruta, é muitas vezes necessário realizar o escoramento.
No inicio da frutificação  poderá ser necessário a pratica da do desbaste, a fim de prevenir o excesso de peso nos ramos e aumentar o tamanho dos restantes frutos.

Pragas e doenças do dióspireiro


O dióspireiro é uma árvore bastante rústica e por norma apresenta poucos problemas. Das pragas que mais prejuízo causam são com certeza a mosca da fruta. Dentro dos meios naturais podemos usar as conhecidas garrafas mosquiteiras, não controlam totalmente a praga, mas reduzem significativamente a sua população. (Armadilhas para a mosca da fruta)
Entre as doenças que atacam esta cultura temos a mancha da folha, a antracnose, a podridão das raízes, a galha da coroa, a cochonilha, lepidobroca e ácaros.
O controle destas doenças deve idealmente ser  preventivo, deve ser feito por produtos específicos encontrados em à venda nos locais apropriados.

Colheita e armazenamento do dióspiro


A colheita do dióspiro deve iniciar-se quando o fruto perde a cor verde e passa a alaranjado.
Devido a sensibilidade da sua pele não aguenta muito tempo em conservação e quando guardados devem ser colocados num tabuleiro apenas numa camada de modo a não pisar. Devem ser guardados em local fresco e ventilado até amadurecerem totalmente. Depois de maduros devem se consumidos com brevidade ou guardados no frigorífico por um máximo de 4 a 5 dias.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...